Você já deve ter encontrado alguma imagem por aí, ou pelo menos visto na timeline do seu Facebook algum amigo comentando sobre a mais nova estreia da Netflix! “Stranger Things” é uma série de ficção científica que está conquistando até a galera que não curte tanto a vibe retrô, ou pelo menos histórias com um quê de eventos sobrenaturais. Mas afinal, o que essa série tem de tão especial que já está, inclusive, mais popular que a série Game of Thrones?

Pra quem está completamente por fora, a gente situa, sem dar spoilers, o cenário de Stranger Things: o seriado se passa no ano de 1983 na tranquila cidade de Hawkins, Indiana. Tudo ia muito bem, até o filho de Joyce (Winona Ryder) sumir misteriosamente. Paralelamente às buscas da polícia, os garotos Mike (Finn Wolfhard), Lucas (Caleb McLaughlin) e Dustin (Gaten Matarazzo) decidem fazer uma investigação e acabam se deparando com experimentos ultrassecretos do governo, forças sobrenaturais e uma garotinha muito estranha, que possui uma tatuagem com o número onze no pulso.

20160803_Blog01_796x400_StrangerThings_Elenco

Já viu que a coisa vai longe, né? Dito isto, confira alguns motivos que fazem de “Stranger Things” a febre do momento e prepare-se para a maratona no fim de semana!

1. As referências a produções de sucesso

A trama é uma verdadeira carta de amor aos anos 80 e muitas referências à cultura pop da época já foram encontradas por quem já conferiu pelo menos alguns episódios. Do videogame Atari às roupas e trilha sonora, muitos símbolos daquele período prometem levar o público a uma viagem nostálgica pelo tempo, que ainda inclui menções a clássicos do cinema como Poltergeist – O Fenômeno (1982), O enigma de outro mundo (1982), Evil Dead – A Morte do Demônio(1982) e, até, Os Goonies (1985).

 

2. O elenco

Da misteriosa menina com poderes psíquicos vivida por Millie Bobby Brown (sem dúvida a grande revelação da série) até o menos promissor “garoto-popular-da-escola”, Steve (Joe Keery), todos os personagens têm seu momento e, de um jeito ou de outro, acabam cativando o público. Ryder mostra que ainda tem muito o que explorar ao interpretar a mãe que perdeu o filho e está à beira da loucura, e não há como não se apaixonar pelo trio formado pelos pequenos Finn Wolfhard, Gaten Matarazzo e Caleb McLaughlin.

3. A fotografia e direção de arte

A caracterização oitentista está perfeita. A atmosfera retrô recriada é simplesmente impecável!

4. Todos os episódios são necessários

Ao contrário das séries de longa duração com temporadas mais extensas, “Stranger Things” é compacta e sem excessos. Não há “fillers” (como são chamados os episódios feitos para preencher o buraco entre um evento e outro) e absolutamente todas as cenas são necessárias, formando uma trama bem amarrada e completa – quase como um filme um pouco mais longo.