Você conhece House of Cards?
Se ainda não conhece, saiba que está perdendo tempo. A genial série do serviço de streaming Netflix trata, com muita ousadia e sem papas na língua, dos desdobramentos da política americana através das artimanhas do inescrupuloso e surpreendente Francis Underwood, Frank para os íntimos.

A série sempre causou muita polêmica ao apresentar um roteiro que beira a realidade – principalmente quando comparamos com a política brasileira e todos os seus escândalos. Impossível não lembrarmos do famoso House of Cunha, comparando Frank ao presidente da Câmara dos Deputados.

20160310_796x400_HouseofCards_ImagemBlog

Na sexta-feira, dia 04 de março, estreava a quarta temporada da série e, ao mesmo tempo, a política nacional estava em evidência novamente, com o polêmico episódio envolvendo a Polícia Federal e o ex-presidente Lula. Com uma ação de co-branding muito bem executada, Frank Underwood, interpretado por Kevin Spacey, aparece na capa de duas das maiores revistas brasileiras (e antagonistas políticas) Carta Capital e Veja, nas plataformas sociais das publicações no Facebook, Twitter e Instagram. A ação também envolveu os jornais Zero Hora e O Povo.

Com um investimento de 1 milhão de reais na veiculação, as capas figuram manchetes relacionadas ao universo da série – e que confundiram muita gente nas redes sociais. Ainda no mesmo dia, o Netflix cutucou ainda mais os ânimos ao publicar uma carta “escrita” por Frank, e que continha frases idênticas às contidas na famosa carta enviada à Presidenta Dilma Rousseff pelo Vice-Presidente Michel Temer. No texto, Underwood escreve que “continua nos surpreendendo bastante o fato de a imprensa brasileira – assim como a americana – ter o poder de dizer coisas tão extremamente opostas sobre o mesmo assunto”.

hoc

Criadas apenas para as redes sociais, essas ações transmídia provam que não há limites de narrativa entre o meio físico e o digital, e novas possibilidades de divulgação podem surgir todos os dias. Ao perceber que a estreia da série ocorreria em uma momento tenso da nossa política, o Netflix apostou forte em anúncios de oportunidade e roubou a atenção – e os corações – da audiência.